bipolaridade

5 mitos e verdades sobre o transtorno bipolar

Resumidamente, o transtorno bipolar é uma patologia que provoca alterações de comportamento, levando o indivíduo a oscilar entre momentos de grande felicidade e profunda tristeza. Ou seja, a doença é marcada por alterações repentinas no humor, cuja frequência oscila entre quadros leves, moderados e graves. Neste caso, os eventos de depressão, em boa parte dos casos, se alternam com o que chamamos de episódios de mania. A mania, por sua vez, é caracterizada por sentimentos de euforia e excesso de atividades físicas desproporcionais, em relação ao que estamos acostumados no cotidiano. Entretanto, nem todas as pessoas acometidas pelo transtorno bipolar passam por esse tipo de manifestação. Logo, alguns indivíduos podem apenas manifestar ciclos de humos estável e mau humor, ao passo que outros apresentarão períodos de maior produtividade e irritabilidade. Bem, um mito já foi derrubado. Agora, se você quer saber quais são as verdades e as mentiras que envolvem este tema, continue a leitura para ficar por dento.

Mitos sobre o transtorno bipolar

1# A doença só afeta o humor

O fato de a bipolaridade estar associada à alternância de humor, não significa que uma pessoa que esteja feliz em um momento e triste no outro seja bipolar. Isso porque, para se chegar a um diagnóstico preciso, o paciente precisa mostrar alguns sinais característicos de episódios maníacos, hipomaníacos, além de sintomas depressivos maiores. Ou seja, isso vai além de afetar apenas o humor, porque também envolve particularidades de sintomas depressivos maiores, como vazio, irritabilidade, humor triste, além de mudanças cognitivas e somáticas, que afetam a capacidade de uma pessoa levar uma vida normal. Nos episódios maníacos, por exemplo, muitos pacientes também apresentam insônia, agitação motora e distraibilidade. Agora, quando se trata de eventos hipomaníacos, os sintomas são similares aos do maníaco, porém, em intensidade menor. Portanto, é um mito achar que esse tipo de doença afeta apenas o humor.

2# O único tratamento é feito por meio de remédios

O uso de medicação é extremamente necessário nos quadros em que os sintomas de bipolaridade são graves. Porém, a terapia familiar, aliada à terapia cognitivo-comportamental, são imprescindíveis no processo de tratamento do indivíduo. Tais medidas contribuem para que ele tenha uma vida melhor. Além disso, o tratamento em grupo também é fundamental, pois ajuda o paciente a ter autoconfiança e responsabilidade no que tange às ações terapêuticas. Ou seja, esse é mais um mito sendo desmistificado.

3# Pacientes bipolares não conseguem ter uma vida normal

Obviamente isso não é verdade. Como destacamos, além da medicação, os pacientes bipolares também contam com terapias individuais, familiares e em grupo. Logo, essas estratégias tendem a ser eficazes, já que ajudam os pacientes bipolares a controlarem a doença. Dessa forma, com o tratamento, eles conseguem levar uma vida normal.

4# O tratamento é permanente

Sim, isso é verdade. Pacientes bipolares precisam aprender a conviver com a doença. Depois de receberem o diagnóstico, é imprescindível que haja um monitoramento médico, porque o ajuste no medicamento, por exemplo, é feito mensalmente pelo especialista.

5# A depressão está associada à bipolaridade

Verdade. De modo geral, os sintomas de depressão podem estar associados ao transtorno bipolar, porque os pacientes podem apresentar quadros de tristeza profunda, irritabilidade, sensação de vazio e insônia, por exemplo. O transtorno bipolar, em suma, é uma doença psiquiátrica caracterizada, sobretudo, por alterações no humor, que podem ir de episódios de obsessão à depressão. Como vimos, a variação de humor é uma característica pontual, mas ela não é a única particularidade dessa patologia. Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Foz do Iguaçu!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp